DESCOBERTA DE MICROFLORA EM SEDIMENTOS DO GRUPO BAURU, CRETÁCEO DO ESTADO DE SÃO PAULO

  • Murilo Rodolfo de Lima Universidade de São Paulo
  • Sérgio Mezzalira Instituto Geológico
  • Rodolfo Dino
  • Antonio Roberto Saad Instituto de Pesquisas Tecnológicas

Resumo

A presença de fósseis animais (invertebrados e vertebrados) é relativamente comum nos sedimentos do Grupo Bauru. Contudo, o endemismo das faunas tem dificultado a obtenção de certas informações geológicas, entre as quais a datação precisa dos níveis portadores. Por outro lado, a ocorrência de vegetais é muito mais rara. Merece, pois, destaque o registro de uma microflora bem preservada, procedente da Fazenda Nossa Senhora do Carmo, Munícípio de São Carlos, Estado de São Paulo. Esta descoberta, ass.ocíada à Litofácies Itaqueri, representa, na verdade, o primeiro encontro de palinomorfos no Cretáceo da Bacia do Paraná. A associação, muito diversificada, conta com algumas espécies de valor estratigráfico, que permitiram atribuição de idade coniaciana. Tornou-se igualmente possível, através do seu estudo, efetuar algumas considerações de natureza estratigráfica, paleoecológica, paleoclimática e tectôníca sobre o afloramento em questão.

Biografia do Autor

Murilo Rodolfo de Lima, Universidade de São Paulo

Uníversidade de São Paulo - Instituto de Geociências - Caixa Postal 20899 - São Paulo, SP - Brasil

Sérgio Mezzalira, Instituto Geológico

Instituto Geológico - SMA - Caixa Postal 8772'- 01051 - São Paulo, SP - Brasil

Rodolfo Dino

Cenpes - Cidade Universitária - Quadra 7 - Ilha do Fundão =--- Caixa Postal 809 - 21910 - Rio de Janeiro, RJ - Brasil.

Antonio Roberto Saad, Instituto de Pesquisas Tecnológicas

* IPT - Divisão de Minas e Geologia Aplicada - Caixa Postal 7141 - 05508 - São Paulo, SPl3rasil.

Publicado
01-01-1986
Seção
sumário