Vulnerabilidade natural à contaminação do sistema aquífero bauru na área urbana do município de Bauru (SP)

  • Mirella Rosenberger Secretaria de Estado do Meio Ambiente/SP; Instituto Geológico
  • Claudia Varnier Secretaria de Estado do Meio Ambiente/SP; Instituto Geológico
  • Mara Akie Iritani Secretaria de Estado do Meio Ambiente/SP; Instituto Geológico
  • Luciana Martin Rodrigues Ferreira Secretaria de Estado do Meio Ambiente/SP; Instituto Geológico
  • Geraldo Hideo Oda Secretaria de Estado do Meio Ambiente/SP; Instituto Geológico
  • Maurício Viotti Arcadis Logos
Palavras-chave: Sistema Aquífero Bauru, Vulnerabilidade, Contaminação, GOD, DRASTIC.

Resumo

O presente trabalho aborda os principais aspectos relacionados ao estudo da vulnerabilidade natural à contaminação do Sistema Aquífero Bauru (SAB) na área urbana do Município de Bauru (SP). A vulnerabilidade do SAB foi avaliada pelos métodos DRASTIC e GOD, em combinação com um Sistema de Informação Geográfica (SIG). Os resultados obtidos pelo método GOD permitiram identificar três classes de vulnerabilidade: baixa-alta, moderada-baixa e moderada-alta. A classe moderada-baixa apresenta maior abrangência em área (79,3%), seguida da moderada-alta (20,0%) e baixa-alta (0,7%). No método DRASTIC, a vulnerabilidade foi definida por três classes: baixa, moderada ou alta. As áreas com vulnerabilidade moderada perfazem 67,0% da área estudada, enquanto as de baixa e alta correspondem a 30,0% e 3,0%, respectivamente. Os mapas gerados por ambos os métodos mostraram que as áreas mais vulneráveis à contaminação do SAB são aquelas próximas às margens dos rios Bauru e Batalha e seus afluentes, coincidentes com as áreas de descarga deste sistema aquífero. Tal fato é corroborado pela correlação das concentrações de nitrato, provenientes de atividade antrópica, com os mapas de vulnerabilidade. As maiores concentrações deste contaminante, muitas vezes excedendo o valor de alerta (5 mg/L N-NO3-) e até o limite de potabilidade (10 mg/L N-NO3-) situam-se, em geral, nas áreas de vulnerabilidade moderada a alta. Outro fator importante é que os bairros não contemplados pelas redes de água e esgoto compreendem, em sua totalidade, as áreas com vulnerabilidade moderada. Assim, visando a proteção do SAB, ressalta-se a necessidade de instalação de rede de esgoto nas áreas com vulnerabilidade moderada, bem como cuidados especiais quanto ao uso e ocupação do solo nestes locais e naqueles próximos à sua área de descarga.
Publicado
01-12-2013
Seção
não definida