Alteração experimental de rochas carbonáticas, Caverna das Pérolas, Iporanga (SP)

  • Mirian Chieko SHINZATO Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)
  • Raphael HYPOLITO Universidade de São Paulo; Instituto de Geociências
  • Alex José BARBIERI Universidade de São Paulo; Instituto de Geociências
  • Flavio Machado de Souza CARVALHO Universidade de São Paulo; Instituto de Geociências
Palavras-chave: Alteração experimental, Soxhlet, Lixiviação, Rochas carbonáticas.

Resumo

Trabalhos experimentais foram realizados com o intuito de estudar a alteração química em rochas carbonáticas provenientes da Caverna das Pérolas, Município de Iporanga, Estado de São Paulo. Extratores soxhlet foram utilizados para acelerar o processo de lixiviação de duas formas: contínua e intermitente. A solução de lixiviação obtida no ensaio contínuo foi analisada quimicamente no final do período de lixiviação (cerca de 454 horas), enquanto os precipitados foram separados e analisados mineralogicamente por difração de raios X (DRX). No ensaio de alteração intermitente, as soluções foram recolhidas após períodos pré-determinados e analisados quimicamente junto com os precipitados, para determinar o total de íons remobilizados da rocha alterada. A composição química das rochas alteradas experimentalmente também foi analisada e comparada com a da rocha sã, a partir das frações molares de seus constituintes maiores. Verificou-se que os principais íons lixiviados no início do processo de alteração foram Na+ e Mg2+; no entanto, com o aumento da alteração química, os íons Sr2+, Ba2+ e Ca2+ passaram a ser, juntamente com o Na+, os íons mais remobilizados, dando início também à precipitação de calcita. Observou-se que no experimento contínuo as concentrações de Sr2+ e Ba2+ ficaram inferiores em relação ao experimento intermitente, revelando que esses íons possivelmente co-precipitaram com a calcita. A baixa razão Mg/Ca pode ter promovido a precipitação preferencial da calcita, em relação à aragonita, nas soluções de alteração experimental. Verificou-se que houve maior taxa de remobilização dos constituintes da rocha carbonática na zona em que as amostras foram submetidas a flutuações do nível freático no compartimento do soxhlet. Entre os minerais secundários observados na rocha alterada, destaca-se a caulinita.
Publicado
01-01-2010
Seção
não definida