Petrografia de zonas de alteração hidrotermal mesoproterozóicas do tipo Kuroko no Grupo Serra do Itaberaba (SP) e seu uso na exploração mineral

  • Annabel Pérez-Aguilar Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo; Instituto Geológico
  • Caetano Juliani Universidade de São Paulo; Instituto de Geociências
  • Lena V.S Monteiro Universidade Estadual de Campinas; Instituto de Geociências
Palavras-chave: Paleo-sistemas hidrotermais, Grupo Serra do Itaberaba, Cummingtonita/antofilita, Alteração clorítica, Depósitos do tipo Kuroko.

Resumo

Na seqüência vulcano-sedimentar do Grupo Serra do Itaberaba, localizado na porção central da Faixa Ribeira, paleo-sistemas hidrotermais mesoproterozóicos se desenvolveram ao redor de pequenos corpos de andesitos/riodacitos. Estes sistemas foram responsáveis pela alteração hidrotermal de rochas ígneas e vulcanoclásticas básicas e intermediárias. Apesar da sobreposição de dois eventos metamórficos de grau médio e um de grau baixo podem ser reconhecidas diferentes zonas de alteração hidrotermal. Uma primeira e extensa zona de alteração clorítica (ZC1) foi sobreposta por zonas cloríticas restritas (ZC2), similares àquelas associadas a depósitos de metais de base do tipo Kuroko. Os produtos metamórficos da ZC1 são rochas que apresentam anfibólio(s) magnesiano(s) em diferentes proporções (rochas com cummingtonita/antofilita) e os da ZC2, clorita magnesiana (meta-clorititos). Estes produtos metamórficos são constituídos por associações minerais exóticas e podem ser usadas como rochas-guia para a exploração de depósitos de metais de base do tipo Kuroko em seqüências vulcano-sedimentares metamorfisadas.
Publicado
01-01-2007
Seção
não definida